A Rainha Vermelha | Resenha

A Rainha Vermelha | Resenha

Oi Pessoal bonito da internet! Tudo bem? Hoje é dia de Resenhas da Nadi com um livro pedido por alguns de vocês, então vem comigo conhecer A Rainha Vermelha!

Título: A Rainha Vermelha
Título Original: Red Queen
Autora: Victoria Aveyard
Ano: 2015
Editora: Seguinte
Número de páginas: 419
Gênero: Ficção – Literatura Juvenil

O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateado cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses. Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?
Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe – e Mare contra seu próprio coração.

20160717_165726_Richtone(HDR)

Ganhei o livro de presente de uma amiga (obrigada Gabi) o que me deixou muito feliz, pois eu estava realmente querendo muito ler A Rainha Vermelha! A história é diferente das demais histórias de reinados que sempre lemos por aí, o que me surpreendeu muito positivamente =) Então vamos conhecer a nossa protagonista? =)

Mare Barrow mora na humilde cidade de Palafitas, que pertence ao Reino de Norta; ela e sua família são Vermelhos, ou seja, são pessoas simples que não possuem nenhum tipo de poder, e por isso também não possuem direitos; vivem uma vida miserável onde passam todo o tipo de necessidade, mas todos os vermelhos passam por isso, não há o que fazer. Ela vive com os pais e a irmã Gisa, que trabalha para os prateados como costureira e praticamente sustenta a casa, ao contrário de Mare que não aprendeu nenhum ofício e por isso vive de pequenos roubos na sua cidade, mas ela não é o orgulho dos pais como sua irmã; e sabe que quando completar 18 anos será enviada para o campo de batalha, pois esse é o destino dos vermelhos sem profissões.

Prateados não agem por necessidade. São movidos pelo desejo. E o que desejam, conseguem.

O Reino de Norta está em constante batalha contra os reinos vizinhos, e o sangue do povo vermelho é derramado todos os dias nos campos, onde os demais irmãos de Mare estão à tempos. Eles lutam pelos Prateados, para que eles possam continuar a viver no conforto da capital, usufruindo dos recursos gerados pelo trabalho escravo dos vermelhos.

Os Prateados são como deuses, possuem poderes, ou “dons” como eles gostam de chamar. São poderes das mais variadas formas, o que os faz sentirem-se superiores aos vermelhos, e dessa forma aprisionando o povo vermelho para que eles trabalhem à seu favor, sabendo que eles não podem fazer nada. O sangue prata é superior ao sangue vermelho. Eles são superiores.

Os deuses ainda governam. Ainda descem das estrelas. Só não são mais gentis.

A vida pacata de Mare muda drasticamente após ela conhecer o jovem Cal, que a faz ser enviada para trabalhar no Palacete do Sol, a residência do Rei e sua família. Trabalhando para o Rei, ela estava livre do exército, mas cercada de sangue prateado, sangue no qual ela tinha tanto nojo e desprezo. Mas o que estaria por vir, mudaria a vida dela e de todos os que conhecia, para sempre!

huhuhuh

Mare fora escalada para trabalhar no Palacete justamente na pior de todas as semanas: a semana da Prova Real. O evento da semana é um dos mais especiais para o Rei e sua família, pois é onde as moças das casas prateadas apresentam-se para o Príncipe, para que uma delas seja escolhida como sua esposa.

Então estamos em um concurso de talentos. Um concurso de talentos violentos, cuja intenção é servir de vitrine para a beleza, o esplendor e … a força!

Em meio a uma arena montada no Palácio, as moças se apresentam uma a uma, demonstrando sua força e poder! O que deixa Mare abismada em poder ver ao vivo o tamanho do poder dos Prateados, e além disso, tudo o que eles conseguem fazer. Eles são como Deuses, são invencíveis para os Vermelhos.

Mas um acidente na arena, acaba por mudar a vida de Mare Barrow para sempre; ao cair no escudo elétrico que protege a arena, algo magnífico acontece com Mare, e diante dos olhos dos Prateados mais importantes do Reino de Norta: ela sobrevive! 

Está tudo errado. Estou viva.

Ao cair no escudo, Mare sendo uma vermelha deveria ter sido “fritada” viva, mas não foi o que aconteceu! E a partir deste momento Mare estava prestes a entrar para um mundo totalmente diferente do que ela conhecia, agora ela era como eles, pertencia a eles, mas somente por fora, pois seu sangue continuava vermelho.

O sangue e o coração vermelhos de Mare, farão com que ela se torne uma guerreira em meio a prateados, e eles realmente não sabem com quem estão lidando.

DICAS

A Rainha Vermelha foi uma história que me surpreendeu muito! Nos primeiros capítulos eu estava quase decidida a deixar o livro de lado, mas ainda bem que resolvi dar mais uma chance, pois eu teria perdido uma boa história.
O que me fez perder o interesse de início foram as poucas explicações a respeito da diferença entre vermelhos e prateados, é tudo muito confuso, me senti perdida na história. Mas conforte os capítulos vão sendo lidos, tudo vai sendo explicado aos poucos e quando percebi, eu já estava vidrada em Mare!

A história é totalmente diferente de todas os livros de Reis e Rainhas que eu já li, pois a história envolve poderes, reinados e tecnologias! Sim, muitas tecnologias nessa história, e esse é o grande tempero que torna A Rainha Vermelha algo novo para mim.
A autora descreve as cenas com grandes detalhes e fica fácil para que o leitor visualize o que Mare está vendo e vivenciando, assim como as reações dela ao ver os incríveis poderes dos Prateados.

Eu me senti lendo um Game of Thrones moderno, mas muito moderno mesmo (hahaha). Com Reinados divididos por casas, onde cada uma possuía suas cores e seus poderes específicos. Uma sendo mais forte que outra, e todas elas de olho no trono de Norta.

O que eu realmente gostei na história, foi a forma como a autora nos apresenta os pensamentos de Mare, em meio a diálogos e cenas intensas nós temos a presença dos pensamentos dela nesses momentos; muito interessante!

Recomendo a leitura para quem ama histórias de Reinados, mas quer algo diferente para quebrar as regras =)

Já leu A Rainha Vermelha? Gostou? Me conta!

rodapé_um beijo

2 Comments
  1. Oi Nadi!
    Ainda não li, mas já tinha interesse no livro, e com o seu post fiquei ainda mais curiosa. Mais um título que vai pra minha lista dos “tenho que ler”. Obrigada por atender aos pedidos 😉 !

    1. Oi Marina! Fiquei feliz em saber que tu se interessou pelo livro, a história é bem surpreendente! Vale a pena colocar na tua lista <3
      Obrigada por comentar, um beijo!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *